terça-feira, 9 de agosto de 2011


Um garoto americano de 17 anos marcou com amigos uma festa através de um site de relacionamento, após comunicar aos pais sobre a festa, eles não concordaram.  O garoto matou os pais com golpes de martelo após eles discordarem que ele oferecesse a festa em casa... A festa combinada pela rede rolou normalmente enquanto os corpos dos pais do garoto, estavam escondidos dentro de um quarto, coberto por objetos...

Dias depois de ouvir essa notícia, ela me veio à mente novamente, ao assistir parte de um desenho animado. No desenho, "um estranho ser” de pele vermelha que saía de dentro um redemoinho... Ele insistia para que um garoto, que ele chamava de filho, desse um amuleto mágico para uma amiga do garoto, logo que a garota usasse o amuleto seria aprisionada em uma gaiola... O menino se recusava fazer mal para a amiga. O “estranho pai” esbravejava dizendo que se o garoto não fizesse o que ele queria, o eliminaria. O garoto argumentou com “o pai” citando o nome de pessoas da família que “o pai” já havia eliminado por algum motivo... Dentre os eliminados, havia um “entregador de pizza” que foi eliminado porque trouxe a pizza com sabor diferente do que o “estranho ser” pedira... Não consegui continuar assistindo!
Refletindo sobre "descartar coisas e eliminar pessoas", foi impossível não pensar em como ao longo do tempo se tornou banal descartar. Primeiro, foram os copos, pratos, luvas, talheres, roupas...
Vieram os estudos que mostraram que a humanidade estava destruindo o planeta, mas, continuamos descartando coisas... Hoje em dia, poucos sentem um peso na consciência pelo tanto que descarta, a maioria vive como se o planeta fosse "um lixão". O consumo desenfreado é enaltecido. O estilo de vida da pós-modernidade mudou prioridades, endureceu muitos corações. Além de descartamos as coisas a humanidade passou a descartar também as pessoas... Tratar as pessoas como objetos descartáveis, não é algo novo, só foi repaginado. Se alguém não agrada, descarta! Nem é preciso matar o corpo, é possível matar as pessoas com indiferença, atitudes ou palavras.
No passado era comum dizermos que as pessoas estavam no “fundo do poço”, hoje em dia, não se fala mais em "fundo do poço", porque o poço parece não ter fundo mesmo...
As pessoas foram absorvendo as influencias como se fossem esponjas... Não filtrar as informações está transformando parte da humanidade em "seres presos em uma gaiola". pessoas que repetem comportamentos influenciados por "quem" sabe muito bem o que está fazendo ao oferecer seus "amuletos da sorte".

A NOTÍCIA - 19 de Julho de 2011 | 14:14h
Um adolescente de 17 anos assassinou seus pais usando um martelo e deu uma festa organizada pelo Facebook em sua casa no sábado, 16/7, enquanto os corpos ainda estavam dentro de um dos quartos, segundo o Mail Online.
A polícia de Port Saint Lucie, na Flórida, afirma que o garoto matou seus pais antes de realizar a festa, que tinha cerca de 50 convidados confirmados no Facebook. Um dos motivos para o crime pode ter sido a recusa dos pais para aceitar a festa, segundo testemunhas.
A festa realmente aconteceu - com os corpos trancados em um quarto. A polícia chegou à residência dos Hadley na manhã seguinte após denúncias anônimas e, inicialmente, ouviu do garoto que seus pais estavam viajando. Depois, descobriram em um dos cômodos da casa os corpos cobertos por livros, quadros e toalhas.
Não há informação sobre a hora exata em que o garoto matou os pais, mas a polícia acredita que tenha sido durante a tarde, após a distribuição dos convites para a festa na manhã de sábado. Hadley foi detido e acusado de dois crimes de homicídio em primeiro grau. Fonte: LEIA NA FONTE

Nenhum comentário:

Postar um comentário